segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Sem comentário...

Blues do Elevador

Zeca Baleiro

Ora quem é que não sabe
O que é se sentir sozinho
Mais sozinho que um elevador vazio
Achando a vida tão chata
Achando a vida mais chata
Do que um cantor de soul

Sou eu quem te refresca a memória
Quando te esqueces de regar as plantas
E de dependurar as roupas brancas no varal
Só faz milagres quem crê que faz milagres
Como transformar lágrima em canção

Vejo os pombos no asfalto
Eles sabem voar alto
Mais insistem em catar as migalhas do chão
Sei rir mostrando os dentes
E a língua afiada
Mais cortante que um velho blues

Mas hoje eu só quero chorar
Como um poeta do passado
E fumar o meu cigarro
Na falta de absinto
Eu sinto tanto eu sinto muito eu nada sinto
Como dizia Madalena
Replicando os fariseus
Quem dá aos pobres empresta
A deus

Quero fugir...



Hoje eu acordei sufocada, com sensações esquisitas de toda ordem...
Uma angústia, um mal-estar, um choro entalado na garganta, uma raiva não sei de que, tantas coisas revirando dentro de mim...
Respiração difícil, ofegante, parecendo mesmo que algo tentasse me sufocar...
Queria gritar, fugir, sumir...
Nem isso eu posso...
Que Deus continue tendo misericórdia de mim e me fortaleça.
Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh...

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Preciso escrever... Pra não explodir... Pra não sucumbir... Pra não enlouquecer...



Passei toda uma vida acreditando que um dia seria arrebatada deste vale de sombras, e que todos os passos errados poderiam ser “arrumados”, colocados nos eixos... Como uma borracha mágica que tivesse o poder de consertar tudo... Uma borracha mágica que pudesse colocar tudo no seu devido lugar...


Os anos se passaram... Nada foi apagado... Os sonhos continuaram apenas “estrelas distantes”...  Nada se tornou realidade... Nada...


A criança que fui um dia pode até se orgulhar da minha capacidade de me manter “de pé” diante de tantos obstáculos, quiçá porradas, da vida, mas jamais aquela criança conseguiu ver felicidade nesta “pseudo adulta” que vos escreve...


É como se, de alguma forma, ser feliz não coubesse nos planos que a vida traçou pra mim...


A cada passo um punhal cravado, como se “felicidade não fosse mesmo coisa deste mundo”... Não coisa do MEU MUNDO...


Hoje eu precisei escrever pra não pirar... Pra tentar cuspir tanta frustração que tem me tomado peito e mente...


Não vou escrever mais... Não agora... Não sobre isso... A criança que um dia fui pode ficar horrorizada se já souber ler e vir aqui tanta tristeza, tanto desalento...


Dorme em paz minha criança... Dorme em PAZ...


(Deixemos que as lágrimas lavem o que for lodo... O resto, deixa pra lá..)


(Fabrine, 10.10.2013... 23:54... Sei lá porque... apenas deixando sair um pouco da angustia que me toma...)

Eu, a vida e todos os seus novos “de repentes”...



Cheguei a acreditar, em algum momento da vida, que iria engravidar de um grande amor neste ano de 2013 (como já contei aqui neste espaço) e que seria um momento de extrema felicidade... Um momento de plenitude... De realização...


“De repente”, eis que engravidei mesmo, e de um sentimento bom até, mas me deparei com todo o outro lado da moeda que eu não ousei jamais imaginar...


Passar por tudo isso sozinha me remeteu a tanta coisa que tava lá, esquecida num passado tão distante, vagando no “arquivo morto” do meu existir...


Sim, sou movida pela graça de Deus, pois não sei como estou aguentando passar por tudo isso sem enlouquecer...


Já senti dor física, emocional, e sabe-se lá quantos tipos mais... Uma solidão tão gigantesca que, por vezes, me engoliu, mastigou, deglutiu, esmagou...


Vaguei por unidades de saúde, conhecendo muitos “sabores” de remédios, filas, salas de espera, humilhação, gastos incontáveis, lágrimas, soluços, negativas... SOLIDÃO...


Vim até aqui passando por tudo aquilo que nunca quis, nem pra mim nem pra ninguém...


Infiltrei-me na vida de quem não mais queria, e comprei os momentos com um prazer insano, que só me mostrou que não representava muita coisa... Nada que alguém não pudesse fazer melhor... E isso me fez calar... Num silêncio que dói na alma, nos ossos e em todo o resto...


Engravidei e senti tanta coisa que nunca tive coragem de dizer, tanto medo, tanta angustia, tanta solidão, tanta coisa mesmo...


Nesse estado nos sentimos tão frágeis... Tudo nos atinge com tanta força...


Quantas vezes senti doer fisicamente e vim pra casa sozinha, tomando um remédio qualquer, chorando até adormecer e pedindo a Deus que não permitisse ser nada grave pois eu não tinha com quem contar... Quantas vezes fui sozinha ao atendimento médico por não ter sequer quem me levasse até lá... Quantas vezes eu passei mal, enjoei, tive dores, tontura e outras coisas e tive que ficar ali, calada, por só ter as paredes por testemunha?


É tão ruim viver isso assim...


Eu sonhei ter alguém que segurasse minha mão quando eu sentisse medo, que me abraçasse na hora de dormir, que me fizesse um chá, que me acompanhasse nas horas difíceis, nas fáceis também... Que me ajudasse a descer as escadas, que me trouxesse um leite morno pra diminuir a ansiedade... E no estágio em que me encontro agora, alguém que me fizesse massagem nas costas, que me ouvisse falar dos medos sem me recriminar nem dizer que sou pessimista ou “ruminante”... Só ouvisse, pois quando falamos libertamos os fantasmas que se aprisionam em nós...


Hoje eu precisei ir ao hospital tomar uma medicação para “amadurecer os pulmões” da minha filha que está apenas com 7 meses... Eu só queria não ter ido sozinha, não ter que lidar com os enjôos sozinha, nem ter que voltar pra casa e só encontrar as paredes novamente...


Não sei mais o que será da minha vida... Daqui a uns dias serei eu que terei que ir embora, por não ter ninguém pra cuidar de mim, de minha filha... É tão triste constatar isso... Que será assim... Que o sonho se partiu em mil pedaços, tão miúdos que nenhuma cola seria capaz de colar... E eu que pensei que “da outra vez” tinha sido difícil... Não, não foi... Eu tinha gente que me amava por perto e, mesmo dando errado, deu certo... Agora eu só tenho a mim, meus medos silenciosos (por que existe muita recriminação quando os manifesto), madrugadas frias e solitárias, dores avulsas – não compartilhadas... Não há mais “olhos-nos-olhos”, só um “tá bem?” atrasado... Só a confirmação do que eu não sonhava, mas imaginava...


E “de repente” sou apenas eu... Só eu...


Enjoada, cheia de edemas, dolorida, amedrontada, solitária, reprimida, machucada...


Somente eu...


Andando pelas ruas, correndo atrás de direitos, do mecânico, do borracheiro, de “remédios naturais pra curar a dor”...


Tudo tão vazio, tão oco, insosso, insípido, tudo sem razão de ser...


Eu, a mobília e um imenso mundo de incertezas...


Não imaginei nada disso... Nada mesmo...


Agora sem emprego, sem casa, sem rumo, sem apoio, só um “você sabia que ia ser assim, conforme-se”... Como se “conformar” fosse a única saída... Ao menos anda me parecendo a mais “conveniente”, a mais “fácil”...


E tudo se mostrou estranho do que eu conhecia...


E tudo que eu conhecia passou a parecer falso... Tudo passou a se apresentar como “de mentirinha”...


Não, eu não sou forte como pensam, mas também descobri que não tenho a alternativa de ser fraca... Não existe ninguém do outro lado da “fibra ótica”, só um “ocupado”, um “fora de área ou desligado”, um “distante demais”...


Apenas eu sozinha...


Tanto faz ficar ou partir, eu sempre estarei assim...


Não foi isso que eu imaginei que seria... 


E de agora em diante em que devo acreditar? Em que devo me apegar? 


Estou enfraquecida demais, dolorida demais, sozinha demais...


Não acredito mais...


Não há mais no que acreditar...


Não há mais o que esperar...


Só existe eu, um punhado de malas, um bebê e as incertezas todas...


“De repente” caem todas as fichas, todas as desculpas, todos os “panos quentes”... É só você e mais nada...


Não é união, são apenas “cordialidades”...


“Conforme-se”...


Poucas semanas me separam de momentos complicados, de momentos complexos... E o que me resta? “De repente... Não mais que de repente”...


Hoje eu chorei, pedi a Deus que me permitisse chorar até cansar e cuspir tudo aquilo que tanto anda me doendo... Acho que Ele me permitiu...


Meu silêncio, obediência, obscuridade, clandestinidade não fazem de mim um ser forte, fazem apenas com que eu me adapte, com que eu abaixe a cabeça, com que eu aceite que nada virá além deste “quase nada”...


Eu que siga, mesmo sem saber como...


Eu que cale, mesmo tudo dentro de mim gritando...


Eu que sinta as dores, e tome um chá “pra sarar a dor”...


Eu que entenda, que sou eu apenas...


Eu que busque forças em Deus, caso contrário... 


Apenas “de repentes”...


A juventude passa pra todo mundo, as superficialidades também... Um dia chega o momento de assumir as responsabilidades, encarar os erros de frente, tomar decisões difíceis, arcar com as conseqüências dos atos... Um dia a vida vai cobrar o preço, vai mostrar o tamanho da nulidade, da passividade, do ordinário que tanto julgamos “superlativo”...


Eu, um futuro incerto, um silêncio doloroso, um vulto do que tinha que ser e não foi, um velório de tudo que se “sonhou” e não foi, um surto de racionalidade, uma fragilidade escondida em “tudo bem”, ”eu resolvo”, “vai passar”, “não tenho alternativa”... São medos e angustias engolidos a seco por não terem coragem de se mostrar e sofrer represálias...


Eu, apenas eu e os “de repentes”...


Já bem disse o poeta: “Ainda é cedo amor, mal começastes a conhecer a vida”...


“De repente” seja isso... O “mundo” seja apenas “um moinho”...


Vou seguindo assim, fingindo uma força que não tenho, calando meus medos por medo, seguindo contando apenas com isso... Comigo e os meus “quase nadas”... Quem sabe “de repente” “há de apagar uma estrela no céu cada vez que ‘ocê chorar”... “O contrário também bem que pode acontecer, de uma estrela brilhar quando a lágrima cair”...


E “de repente” me veio a frase do Oswaldo: “Quando eu não estiver por perto canta aquela música que a gente ria... É tudo que eu cantaria, e quando eu for embora, você cantará”...


Sem mais... Sem mais...


(Escrevendo por não saber dizer... Escrevendo pra não enlouquecer... Escrevendo pra tirar de mim... “De repente, não mais que de repente”...)

terça-feira, 1 de outubro de 2013