quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A palavra dos últimos dias, meses, anos...



Já não sei nem como meu corpo e mente resistem.
Preciso descansar...
Já estou me arrastando...

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Uma reflexão para mim, pra você, pra todos... "Conseguimos mãe!"



Meu próprio pai

Quando eu ainda tinha mãozinhas gordas e bracinhos fofos, me lembro de levar até a minha mãe meu cobertor favorito. Ela chorava na cama uma desilusão amorosa. Lembro que ela sempre chorava quando eu lhe pedia pra ter um pai. Ela chorava quando estávamos sozinhos em casa. Percebi que era algo forte demais de pedir. Ter um pai. Eu queria ter um pai que me pegasse no colo na saída do colégio. Que me ensinasse a fazer uma pipa. Que passasse a mão na minha cabeça, como via o pai dos meus amigos fazer. Que me assistisse em apresentações escolares. Eu queria ter um pai porque todo mundo tinha pai menos eu. Porque eu queria ser normal.


É algo injusto de se pedir pra uma mãe. Percebo só agora. Ela se esforçou pra manter relacionamentos nos quais sofria, pra me dar um pai. Aguentou traições. Finalmente, convenceu um namorado a me registrar no cartório. Era pra ser meu pai. Mas nunca tive pai. Nunca dormi abraçado com um pai. Nunca ouvi “eu te amo” de um pai. Essas coisas que os pais fazem com os filhos. Nunca tive um pai me trazendo remédio pra tosse. Aprendi a andar de bicicleta depois de velho, com um amigo. Aprendi a dirigir com 20 anos. Nunca torci para um time de futebol, realmente. Essas coisas que os pais fazem com os filhos.

Não faz muito tempo, um amigo me contou essa história. Quando o filho de sete anos brincava de skate, caiu, ralou o joelho e começou a gritar de dor e susto. Naquele momento, o homem me contou que lembrou dele mesmo, quando criança, ralando o joelho e ouvindo do pai: “Não chora! Homem não chora! Engole o choro! Seja homem!”. Se abaixou, abraçou o filho e disse: “Pode chorar, filho. Eu sei que dói. Papai está aqui”. E enquanto a criança parava de chorar, o pai chorava emocionado. Lembrando do seu próprio pai. Imaginando seu próprio pai fazendo diferente. Ele estava curando seu trauma. Ele estava abraçando ele mesmo, quando era criança.

Quando durmo abraçado com minhas filhas estou dormindo comigo mesmo, quando eu era criança. Estou sendo o pai que eu não tive. Estou sendo meu próprio pai. Estou sendo alguém que minha mãe sempre quis pra ela. Alguém que sempre quis pra mim mesmo.

Enfim, conseguimos, mãe.

(Marcos Piangers)

terça-feira, 26 de setembro de 2017

E quando não se consegue mais conter os sentimentos?

 

Hoje acordei (depois de passar a noite com minha filha com mais de 38º de febre) com uma tristeza que não consegui conter... 

Coloquei as coisinhas dela na mochila, coração apertado por não poder simplesmente chutar o trabalho pra ficar com ela em casa abraçadinha até sarar, descemos a escada e ela começou a chorar, como se pedisse "Mamãe, fica comigo"... Fui chorando até a creche, deixei ela com um abraço apertado e o coração do tamanho de uma ervilha...

Chorei todo percurso até o trabalho... 

Era um choro sofrido, um choro cansado, um choro de vergonha, de raiva, de desespero... Era a tormenta transbordando e escorrendo pelos olhos...

Cheguei no trabalho e me tranquei 20 minutos no banheiro e chorei, chorei, chorei até onde foi possível... Calada! Silenciosa! Como se tudo isso não coubesse mais em mim...

Tenho passado pelos dias mais difíceis de minha vida... 

Nunca imaginei que seria assim, nem me preparei pra chegar nesse ponto...

Sei que Deus não escolhe os capacitados, capacita os escolhidos mas, algumas vezes, os "escolhidos" chegam a rastejar pra seguir em frente...

De repente é um misto de angústia, de doença (física mesmo), de raiva, até de nojo... 

Como pode as pessoas fazerem certas coisas e não sentirem um pingo de dor na consciência?

Como pode as pessoas passarem tão "branda e cinicamente" pela vida?

Eu não consigo!

Estou aqui despedaçada de ver minhas filhas doentes, eu doente, sem dinheiro, sem perspectiva, lutando com unhas e dentes pra não desistir, pra não entregar os pontos...

Como que se lida com tudo isso sem se envergonhar, sem se prostrar, sem enlouquecer?

Eu posso dizer que sou forte, que a maternidade me mantém viva...

Mas até os tratores precisam de um período de descanso... Até as mentes mais sãs precisam de refazimento... Até os corpos mais fortes precisam de um pouco de inércia... Até o espírito mais "preparado" carece de um pouco de paz...

Hoje eu não consegui segurar... Não fui eu quem chorei, foram meus olhos que não conseguiram mais segurar...

Não quero mais falar!

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Esse é o questionamento que não sai de mim...

Onde isso tudo vai parar?

Filho doente, cansaço extremo, dor, dor, dor, falta de dinheiro...

O que Deus espera de mim?

Que ano difícil...

Eu??? Nem sei como ainda resisto...

Até onde eu aguento?

Olhe por nós duas Senhor!

(Que assim seja!)

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Começando a recuar...



"Um guerreiro da luz respeita o principal ensinamento do I Ching: "a perseverança é favorável".

Mas ele sabe que perseverança nada tem a ver com a insistência. Existem épocas que os combates se prolongam além do necessário, exaurindo suas forças e enfraquecendo seu entusiasmo. 

Nestes momentos, o guerreiro reflete: " uma guerra prolongada termina destruindo o próprio país vitorioso." 

Então ele retira suas forças do campo de batalha, e dá uma trégua a si mesmo. Persevera em sua vontade, mas sabe esperar o melhor momento para um novo ataque. 

Um guerreiro sempre volta a luta. Mas nunca faz isto por teimosia - e sim porque nota a mudança no tempo."
Paulo Coelho

domingo, 16 de julho de 2017

And I...


O passar dos dias...

Ando esgotada!

O último ano foi muito difícil pra mim....

Em meados do ano passado minha irmã me presenteou com uma bateria de exames (isso mesmo, ela queria saber da minha saúde)... Resultado? Tudo normal, salvo uma deficiência de vitamina D (quem tem tempo de ficar exposto ao sol hoje em dia?)... Comemoramos e os dias seguiram...

Algumas dores surgiram pouco depois... "Não é nada, são gases"... Simeticona gotas... Nada... Simeticona comprimido... Nada... Simeticona gel... Ahhh, melhorou...

Dias depois a dor voltou mas tinha que pintar a casa, levar a filha na escolinha, limpar a sujeira do pintor, não deixar cair poeira no colchão (minha filha tem crises alérgicas)... A dor era reflexo do estresse... 

Chegou o natal... A dor era por causa das 14 horas de ônibus com uma criança no colo (pra ir ver a família)... Janeiro... A viagem de volta...

Fevereiro... A correria... Março... O estresse... Abril... A filha doente... Maio... Sem dinheiro... 

Junho... Não existia força pra levantar... Três dias de ausência no trabalho... Sem forças pra ir a festinha da escolinha sozinha (ainda bem que uma amiga foi junto)...

Já não dava mais pra negar... Alguma coisa estava errada.... Muito errada...

Quando você se depara com uma situação dessas a mente começa a "inventar" teorias... A principal foi: "Que não seja terminal... Que não seja grave... Que não seja cirúrgico... Que não seja caro"...

Esse era o mantra...

(Meu pai morreu com insuficiência renal... Não conseguiu transplante... Seria eu "a herdeira"???)

Chegava a hora de investigar... Mas onde eu ia arrumar dinheiro?

Fui ao médico, fiz exames e sofri sozinha todas as dúvidas, toda apreensão...

Julho... Resultados em mãos...

Muita coisa errada... Não era estresse, mal jeito ao dormir... Nada de simeticona pra sarar...

Não é terminal... O resto do mantra segue...

Não é renal...

Estou esgotada, não quero mais pensar...

Uma semana depois de ficar olhando os resultados e pesquisando na internet... De pessoas dizendo: Calma, você consegue... É só isso que eu consigo pensar: Estou esgotada!!!

Ninguém percebe, ninguém presta atenção... É silencioso...

Eu sou silenciosa...

Quando quero gritar eu murmuro... Quando dói demais eu me deito... Quando me sinto sozinha eu canto... Quando eu não aguento mais caminhar eu choro quietinha... Eu olho pra Deus e peço que Ele fortaleça meus pés e ombros pra que eu resista...

Antes eu desistiria... Deus me deu uma filha pra que eu nunca desistisse...

Mês passado eu LITERALMENTE me arrastei e ela dizia: mamãe quero água, mamãe vem brincar, dança mamãe... Eu não conseguia e foi isso que me fez levantar e investigar...

Nunca fui de pedir ajuda, NUNCA... É a minha maior "deficiência"... E nem é por me achar superior... É só por achar que não mereço (algumas pessoas até sabem disso)...

Amanhã eu retorno ao trabalho, depois de duas semanas em casa... Não tenho a menor condição psicológica pra isso... E o que eu vou fazer? Respirar fundo, fazer uma prece e sair cantando... Eu não tenho opção... Minha única opção é ser forte...

Quinta feira a médica vai dizer o que eu devo fazer... Até lá eu canto, eu assovio... Eu deixo os dias passarem...

Vida que segue...

Ela tem que seguir...




sábado, 1 de julho de 2017

Ohhh sina...

Nenê doente, mamãe doente....

Oh céus!


segunda-feira, 26 de junho de 2017

Emoções e desacertos...

Hoje eu consegui chorar....

De repente você descobre que já não "funciona" muito bem, que algumas das suas partes estão danificadas e você sente um aperto no peito, um nó na garganta... A sensação é de sufocamento...

Ninguém entende... Só quem sente sabe...

Hoje um pensamento me veio: Tudo isso que tem me acontecido é pra provar que SOU forte... Um pouco mais do que eu imagino que seja...

Todos os dias que meu corpo físico não responde, meu emocional/psicológico grita: Calma, isso também passa!

Eu olho pra minha filha e não consigo nem cogitar em me entregar...

Médico marcado... Logo a resposta chegará...

"Você é forte Menina!"

Estava assistindo ao seriado "Anatomia de Grey" e uma canção que foi muito importante pra mim começou a tocar... Imediatamente as lágrimas começaram a cair... Foi como se eu, enfim, conseguisse aliviar um pouco o "sufocamento"... Música sempre me ajuda a voltar a respirar...

Vou ficar aqui ouvindo... Ouvindo... Ouvindo... Até a bateria do PC descarregar...

Eu precisava disso... 

Obrigada Keane... De alguma forma, me senti abraçada...

"Você é forte Menina!"

Ah, eu sou!

(Vida que segue...)

sábado, 20 de maio de 2017

E... 154+4 capítulos depois...

Como alguém pode falar tanto de mim, me desvendar e exibir assim na pele de "outros seres"?
Depois disso tudo eu já nem sei mais quem sou...
Preciso de um café!

(Queria tanto descrever o quanto minhas emoções estão reviradas por conta disso... Acho que nenhuma escrita seria suficiente... Mas sou eu, em vários personagens, na maior parte a mesma personagem... Eu precisava ver isso... Eu realmente precisava...)


sexta-feira, 12 de maio de 2017

Sendo assim... Parabéns eu!

(Talheres diferentes... Se não consegui perceber antes... Bahh...)

quinta-feira, 4 de maio de 2017

domingo, 23 de abril de 2017

...




[...] sabe que o meu gostar por você chegou a ser amor, pois se eu me comovia vendo você, pois se eu acordava no meio da noite só pra ver você dormindo, meu Deus... como você me doía! De vez em quando eu vou ficar esperando você numa tarde cinzenta de inverno, bem no meio duma praça, então os meus braços não vão ser suficientes para abraçar você e a minha voz vai querer dizer tanta, mas tanta coisa que eu vou ficar calada um tempo enorme... só olhando você, sem dizer nada só olhando e pensando: Meu Deus, mas como você me dói de vez em quando!


Caio Fernando Abreu

domingo, 9 de abril de 2017

Abraça-me Abrunhosa... Leva-me contigo...


E eu sinto tua falta...

Engraçado isso...

Ando sentindo um tanto de saudades de ti...

Das madrugadas "caminhando pelos meios-fios"... De ter por testemunhas somente o "vinho", a lua, a música e o "silêncio" contemplativo...

De tua obra sob meus olhos, do êxtase que isso despertava em mim...

De "beber" tuas palavras, tua loucura e ficar ali, embriagada de ti...

(Será que me lês poeta? Queria muito que isso chegasse a teus olhos...)

Acho que, de tudo que vivi, de ti sinto mais falta...

Foi tudo tão breve e tão intenso... (Não imaginas o quanto minh'alma vibrava por ti... Ou talvez imaginasse mas sem crer ser verdade... E era...)

Eh... Tu bem sabes o quanto fostes avassalador em mim... (Não só em mim...)

Deves ser destes furacões que nunca passam "por passar" nas vidas alheias...

Volta e meia me pergunto o motivo de eu não ter tido coragem de te buscar... A admiração, o choque, o respeito era tão grande que nunca ousei... (Embora soubesse EXATAMENTE onde te encontrar... Não foi medo, foi algo que nunca soube explicar...)

Algumas pessoas já viveram em mim e se perderam... Tu, que estavas sempre "de passagem", permanece... Sinto teu lugar em mim...

Eu era mais menina... Me julguei mínima demais pra ti...

(Ahhh, queria muito que me lesses... Queria poder dizer-te...)

Sinto tua falta... Mas bem me avistes que sentiria...

Talvez nada signifique o que direi mas não imaginas a força que existe nessa afirmativa: É em ti que penso quando me perco...É em ti que penso quando a poesia me sussurra aos ouvidos...

Quantas vezes usei o "Mergulhar" que me enviastes pra "diminuir" o tempo que "finge parar de doer"?

É... Um breve que se eternizou...

Volta e meia me pergunto porquê não fui pra "casa com varanda" e deixei tuas telas espalhadas pela casa... (Não achei que eu merecia...)

Nas minhas mídias tem uma pasta com teus sons, nos meus guardados nossas taças quebradas... Memórias de um "nós" que nem chegou a se concretizar... 

Parei pra viver um momento, buscando preencher meu vazio com algo que era só da carne... E mesmo quando eu estava "enlutada" e tu me disse logo ao me olhar "o que não te matar vai te tornar forte Menina"... Mesmo assim eu não achei que podia te merecer...

Sempre fostes grande pra mim... Sempre fostes grande em mim...

Estive sob o mesmo céu que outrora habitamos, passei pelas ruas em que estivemos e busquei teu semblante... Infelizmente não consegui encontrar senão as memórias dos dias que ali estivemos... Mas eu quis muito... Embora soubesse onde eu não descumpri minha promessa... Ti busquei nos acasos... Foi o que te prometi...

Guadalajara, "Vander Lee" (estivemos "juntos", embora separados, e meus olhos fugindo vergonhosamente dos teus, embora te buscassem por apelo da minha loucura) , grama, meio fio, "Sabiás"... (Sim, eu sempre soube onde e sempre respeitei a promessa")...

Queria que me salvasse de mim... (Pausa pra secar as lágrimas)

Recentemente senti algo que tu ilustrara pra mim certa feita... Saí "gritando" pelo mundo a minha dor e o "mundo" continuou sua trajetória, as pessoas continuaram tripudiando e os cacos eu mesma tive que colar...

Loucura minha dizer tudo isso... Sei que não lerás... Sei que não faz diferença... Mas eu precisava dizer... (Nem que fosse pra mim...)

Devias ter acreditado quando te ofereci meu mundo... Sabes que teria de mim o que quisesse, te dei provas disso e sem ressalvas... (Hoje meu mundo não tem cor... Não tenho mais impeto... Mas gostaria que aceitasse... Embora saiba que nada tenho mais de mim...)

Acho que meu mundo ficou lá, naquele último momento...

Melhor parar por aqui...

Quero apenas que saibas que quando busco o passado sois a memória (saudade) que me toma...

Quero apenas que saiba que "certas canções são eternas"...

Tim tim... Amééééééééémmmm!!!

(A canção que me traz você... A canção que te dei pra que sentisse junto comigo a poesia... A canção que acabou virando um emblema... A doce canção da saudade... Um "Marco"... )

Deixas em mim tanto de ti...
(Pedro Abrunhosa)

A noite não tem braços
Que te impeçam de partir
Nas sombras do meu quarto
Há mil sonhos por cumprir

Não sei quanto tempo fomos
Nem sei se te trago em mim
Sei do vento onde te invento, assim

Não sei se luz da manhã
Nem sei o que resta em nós
Sei das ruas que corremos sós

Porque tu
Deixas em mim
Tanto de ti
Matam-me os dias
As mãos vazias de ti

A estrada ainda longa
Cem quilômetros de chão
Quando a espera não tem fim
Há distâncias sem perdão

Não sei quanto tempo fomos
Nem sei o que trago em mim
Sei do vento onde te invento, assim

Não sei se luz da manhã
Nem sei o que resta em nós
Sei das ruas que corremos sós

Porque tu
Deixas em mim
Tanto de ti
Matam-me os dias
As mãos vazias de ti

Navegas escondida
Perdes nas mãos o meu corpo
Beijas-me um sopro de vida
Como um barco abraça o porto

Porque tu
Deixas em mim
Tanto de ti
Matam-me os dias
As mãos vazias de ti

Deixas em mim
Tanto de ti
Matam-me os dias
As mãos vazias de ti 

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

...

"Todos tem seu próprio destino. 
Nem todos fazem a escolha de segui-lo. 
Eu tive a sorte de fazê-lo"...

(Um homem de sorte)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Até tu Netflix?



 O universo conspirando contra mim...

Agora quero ler o livro... Tenho certeza que será ainda maior a reflexão...

#tantosobremim



sábado, 11 de fevereiro de 2017

(Sem legenda)






O "Fernando"... A "Pessoa"...



Sossega, coração! Não desesperes!
Talvez um dia, para além dos dias,
Encontres o que queres porque o queres.
Então, livre de falsas nostalgias,
Atingirás a perfeição de seres.

Mas pobre sonho o que só quer não tê-lo!
Pobre esperança a de existir somente!
Como quem passa a mão pelo cabelo
E em si mesmo se sente diferente,
Como faz mal ao sonho o concebê-lo!

Sossega, coração, contudo! Dorme!
O sossego não quer razão nem causa.
Quer só a noite plácida e enorme,
A grande, universal, solene pausa
Antes que tudo em tudo se transforme.

Fernando Pessoa

Me sentindo muito "Leila"... Só que sem o Renato...


Só pra desabafar um pouco...

Sentei aqui pra escrever, mas não estou conseguindo dar um rumo a minha tentativa...

Que dias complicados esses...

Eu queria estar de "bom humor", escrevendo uma piadinha, colocando uma musiquinha, mas não tem uma vertente minha que esteja bem...

Estou muito cansada, dolorida, nervosa, angustiada, não consegui pagar as contas do mês, trabalhei por dois, minha moto pifou e eu não tô conseguindo nem ter mais esperança em nada.

Pra completar a peleja fui obrigada a "abrir gavetas" internas que trouxeram a tona um monte de "fantasmas"...

Eu nunca quis fazer mal a ninguém, mas fiz e hoje pago um preço alto por ter deixado de pensar com a razão e ter seguido o coração... Acabei sem os dois: Razão e coração...

Eu sempre ouvi por aí que não adianta se esconder dos sentimentos, sejam bons ou ruins... Eles vão permanecer lá... E você precisa ter coragem pra mexer nas suas "gavetas interiores"...

Posso dizer que sou forte, nunca duvidei disso, pois mesmo quando eu fraquejava tinha que fingir força... Mas estou pifando... Muito rapidamente...

Essa semana todo tipo de reviravolta aconteceu em minha vida...

Posso dizer que me abalaram profundamente...

Estou esgotada... Não existe outra palavra que me defina nesse momento...

ESGOTADA!

Acho que até Deus deve ter esquecido de mim...

Quero apenas poder deitar e dormir...

Hoje eu posso dizer que meu último ponto de equilíbrio ruiu...

Não sei bem o que estou escrevendo... Acho que é pra ver se o "Universo" se apieda de mim...

Eu realmente preciso de um milagre!

Sem mais... Sem mais!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

(Sem legenda)


(Sem legenda)



Tão Fundo É o Mar
Moreno Veloso

O quanto eu te amo
Eu vou te contar:
Tão alto é o céu,
Tão fundo é o mar.

Por dia quantas vezes em ti penso eu?
Em quantas rosas orvalho choveu?

Quão longe eu iria
Pra estar onde estás?
Quão longe é a jornada
Pra estrela lilás?

Se eu te perder um dia,
Quanto eu vou chorar?
Quão alto é o céu?
Quão fundo é o mar?

O que eu quero? Um "abraço"!

Sutilmente
Skank
  
E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
Quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe

E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
E quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
E quando eu estiver bobo
Sutilmente disfarce
Mas quando eu estiver morto
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti

Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti
Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti

E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
E quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
E quando eu estiver bobo
Sutilmente disfarce
Mas quando eu estiver morto
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti

Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti
Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti
Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti
Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Isso fala por mim...

(Sem legendas...)

"Há meses que fazem chuva, semanas que fazem sol... E dias em que tanto faz..." (Vander Lee)

E hoje eu chorei...
Chorei tanto
E muito
E tão profundamente...

Eu chorei...

E hoje eu precisei chorar...

Chorei sozinha, silente...
Chorei na intimidade da minha cama
Na minha clausura...

Eu chorei...

Eu precisei chorar...

E foi um choro doído
Um choro sofrido
Um choro...

Hoje...

Precisei...

Chorar!...

(Não, isso não é poesia, não é metáfora, nem figura de linguagem... Isso foi real!!!)

sábado, 28 de janeiro de 2017